Nesta sexta-feira (26), às 21h30, no estádio Elcyr Resende de Mendonça, em Saquarema (RJ), o Corinthians enfrenta o Retrô-PE, equipe comandada pelo técnico Nilson Corrêa. A partida é válida pela segunda fase da Copa do Brasil. Como não poderia ser diferente, o SCCP SCOUTS preparou um material sobre tudo que você precisa saber a respeito do nosso rival: provável escalação, pontos fortes e fracos, destaques individuais e muito mais.

O Retrô fez apenas três jogos na temporada 2021. No entanto, a equipe vem de três resultados positivos. Uma vitória e um empate no Campeonato Pernambucano, e um triunfo diante do Brusque na primeira rodada da Copa do Brasil. Contra o Timão, a equipe do técnico Nilson Corrêa tenta manter a boa fase na temporada e seguir na competição nacional.

PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO RETRÔ PARA O JOGO CONTRA O CORINTHIANS:

A possível escalação do Retrô, segundo o site SportBuzz .

SAÍDA DE BOLA:

O Retrô é uma equipe que possui uma saída de bola bem estruturada. Tenta construir o jogo de pé em pé e utiliza algumas variações de acordo com a situação da partida.

Uma das saídas é a 3+1. Del’Amore (ex-jogador da base do Corinthians) e André Baumer ficam abertos e o volante Lucas Gonçalves se posiciona entre os dois defensores centrais. Kauê e Gelson são os meio-campistas que podem dar a opção de passe vertical por dentro.

Foto: Reprodução

Entretanto, a equipe do técnico Nilson Corrêa utiliza bastante o goleiro Jean em sua saída de bola. Na maior parte do tempo o arqueiro é quem fica centralizado entre os dois zagueiros. Quando a Fênix se estrutura desta forma, Lucas Gonçalves é o responsável por ficar à frente da primeira linha.

Foto: Reprodução

Além de auxiliar a saída 3+1 com passes mais curtos, Jean também tem qualidade para utilizar bolas longas e acionar os laterais em profundidade. Principalmente o lado direito com o capitão do time Neílson. A saída longa é mais uma boa variação da equipe pernambucana.

Foto: Reprodução

FASE E TRANSIÇÃO OFENSIVA:

O Retrô gosta de ter a posse em seus domínios. É uma equipe bem organizada na construção ofensiva e que possui mecanismos para agredir os seus adversários com a bola.

Em zonas mais baixas do campo é válido destacar o papel de André Baumer na organização ofensiva. O defensor apresenta muita qualidade para progredir com conduções e também conta com boa iniciativa para quebrar linhas de marcação com passes verticais.  

Foto: Reprodução

Lucas Gonçalves é o homem da distribuição do Retrô na base da jogada. Recebe dos zagueiros e busca acionar os seus companheiros nas costas dos meio-campistas adversários. No entanto, Kauê e Gelson têm liberdade para se aproximar da base da jogada para gerar jogo.

Em faixa mais avançada do campo os movimentos ofensivos do Retrô são bem ensaiados. Kauê é um jogador bastante associativo. Cai nos setores da bola e faz combinações curtas para fazer o time progredir.

Foto: Reprodução

Janderson também é um nome fundamental para a Fênix. Joga pelos lados do campo (principalmente pelo setor esquerdo), tem boa condução e eficiência nas jogadas individuais de 1×1.  O camisa 10 é um dos principais nomes do Retrô.

O meio-campista faz boas leituras para atrair o seu marcador, aparecer por dentro e liberar o corredor para as ultrapassagens de Guilherme.

Foto: Reprodução

Além disso, por jogar com o “pé trocado” o atleta sempre busca vir pelo meio para trabalhar próximos dos jogadores centralizados e acioná-los no entrelinhas.

Foto: Reprodução

Em alguns momentos o Retrô utiliza um jogo apoiado para atrair a marcação e acionar o lado oposto livre. Guilherme e Neílson são laterais que oferecem muito apoio em fase ofensiva. Essa é uma das principais armas da equipe comandada pelo técnico Nilson Corrêa.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

FASE E TRANSIÇÃO DEFENSIVA:

Em fase defensiva, o Retrô não costuma pressionar os seus adversários e impedir a construção ofensiva. Naturalmente, o time de Nilson Corrêa marca em um 4-4-2 com os seus blocos de marcação na altura do meio-campo.

A ideia é se posicionar de forma compacta para cortar as linhas de marcação. Para isso, o time utiliza uma marcação por zona com pressão no setor da bola. Importante destacar o papel de Gelson e de Lucas Gonçalves pressionando os seus adversários quando caem em suas faixas de campo.

Foto: Reprodução

Nos dois jogos do Campeonato Pernambucano da temporada 2021, o Retrô teve o domínio do jogo e não foi tão agredido pelos seus adversários. Entretanto, os três gols sofridos pelo time saíram de jogadas pelo lado direito. Por ser um lateral que apoia bastante, Neílson tem dificuldades pra fazer a recomposição.

O Sete de Setembro soube aproveitar muito bem esses espaços para criar as melhores oportunidades de gol.

Foto: Reprodução

DESTAQUES INDIVIDUAIS DO RETRÔ:

Janderson (ME/MEI): O meio-campista é um dos principais destaques individuais do Retrô. Boa capacidade de sair e quebrar a marcação com dribles, boa condução em progressão e leitura para atrair a marcação e, consequentemente, abrir os espaços para as descidas de Guilherme.

Mayco Félix (ATA): O atacante é o artilheiro do time na temporada. Bom posicionamento na grande área e ajuda na construção ofensiva com ações de apoio zonas mais do campo.

Kauê (MC/MEI): É um dos responsáveis por fazer o time jogar. Cai no setor da bola, busca as combinações curtas por dentro, chega ao último terço para finalizar e recua na base da jogada para gerar jogo. Kauê é um atleta de muita movimentação e que oferece muito jogo para o Retrô.

VEJA TAMBÉM:

COLUNA ALVINEGRA: ABRAÇAR A MEDIOCRIDADE É NECESSÁRIO, MAS NÃO A QUALQUER CUSTO

Deixe uma resposta