No Corinthians de Vagner Mancini, o 2° volante do time titular ainda é uma das raras posições que está aparentemente indefinida na cabeça do técnico. Como comandante do Timão, Mancini já experimentou vários jogadores nessa posição, mas por distintos motivos, nenhuma das opções conseguiu conquistar o técnico a ponto de adquirir o status de titular.

Considerando apenas a “Era Mancini”, a 1ª opção testada por ali foi o jovem Ederson. O ex-volante do Cruzeiro, ganhou espaço inicialmente, mas teve atuações bem decepcionantes e, com isso, perdeu o prestígio com o treinador. Inclusive, Ederson sequer tem sido relacionado para os últimos jogos.

Outra opção que Mancini testou por ali foi Camacho. Com rendimentos no máximo razoáveis, o meio-campista, aparentemente, também não agradou ao técnico alvinegro e tem entrado em circunstâncias específicas de partidas esporádicas.

Roni, meio campista recém promovido do sub-23 do Corinthians, foi outra alternativa utilizada para ser 2° volante. Ele jogou em raríssimas ocasiões, teve atuações insatisfatórias e acabou não tendo tanta continuidade na equipe, também, por uma lesão que teve, que acabou o distanciando dos demais concorrentes para essa posição. 

Outra possibilidade usada para tentar entregar mais consistência à equipe foi a utilização de Xavier, um volante defensivo que recentemente foi promovido da base para o elenco principal do Corinthians. Diante do Atlético-GO, essa ideia de Mancini fracassou: o time ficou com uma circulação de bola muito lenta e com pouca fluidez na construção das jogadas. Tanto é que o jovem volante foi substituído já no intervalo da partida. Inclusive, o próprio Mancini admitiu, em coletiva pós-jogo, que a dupla de volantes Xavier e Gabriel deixou a equipe mais “travada” naquela oportunidade.

Já contra o Coritiba, essa mesma alternativa foi novamente experimentada e o desempenho melhorou substancialmente em relação à 1ª tentativa: o tine conseguiu se estabelecer em campo rival e concatenar jogadas de forma satisfatória. Ainda assim, o treinador do Corinthians optou por não dar sequência com essa formação. 

Ramiro também foi experimentado, em algumas oportunidades, nessa posição. Entretanto, ainda que seja um jogador reconhecidamente muito voluntarioso, Ramiro apresenta limitações técnicas evidentes: ele agrega muito pouco com a bola, erra com frequência passes simples e, dessa maneira, compromete demais a construção das jogadas do Corinthians. Até por isso, não é possível tratá-lo como uma boa opção para ser 2° volante.

Por fim, temos o volante Victor Cantillo. Entre as opções disponíveis, é bastante provável que seja aquela que apresente mais recurso técnico. Com perfil mais controlador da posse, Cantillo auxilia bastante na fase de criação das jogadas do time. Apesar disso, o volante colombiano ainda não tem o status de titular com Mancini, especialmente por não manter a mesma intensidade durante períodos mais longos das partidas. É bom que se diga que o meio campista ex-Barranquilla, sofreu com algumas lesões em sequência e, há alguns meses, também foi infectado pela Covid-19.

Diante desse cenário de incertezas e até de escassez em termos de qualidade individual, decidimos sugerir aqui o nome de Lorenzo Faravelli (meio campista do Independiente Del Valle): trata-se de uma opção de excelente nível técnico e acessível financeiramente, que poderia vir para suprir essa possível carência na formatação do elenco do Corinthians. Abaixo, vamos fazer uma analise detalhada do perfil desse jogador.

DESCRIÇÃO BÁSICA DE LORENZO FARAVELLI

  • NACIONALIDADE: Argentina
  • IDADE: 27 anos
  • ALTURA: 1,77 m
  • PESO: 69 kg
  • PÉ PREFERIDO: Direito
  • CLUBE ATUAL: Independiente Del Valle (IDV)
  • DURAÇÃO DO CONTRATO: até 31/12/2022
  • VALOR DE MERCADO: 1,2M € (segundo o Transfermarkt)
Faravelli (direita) é um dos destaques do Independiente del Valle de Miguel Ángel Ramírez
Faravelli (direita) é um dos destaques do Independiente del Valle de Miguel Ángel Ramírez (Foto: Divulgação/Del Valle)

Lorenzo Faravelli é um meio campista argentino, formado na base do Newell’s Old Boys. O jogador teve passagens sem muito brilho por Unión Española, Gymnasia e Huracán, mas foi no Independiente Del Valle comandado por Miguel Ángel Ramirez, que ele ganhou muita notoriedade, principalmente pela sua importância no funcionamento coletivo da equipe equatoriana.

Faravelli foi adquirido pelo Del Valle junto ao Huracán, no início de 2020, e logo teve a incumbência de suprir a lacuna deixada pelo excelente meio campista Allan Franco, que pouco tempo após a chegada de Faravelli, foi contratado pelo Atlético-MG.

É importante pontuar que no início da sua carreira, Faravelli atuou predominantemente como um meia armador clássico (um ‘enganche’, como é chamado na Argentina). Ao longo do tempo, foi se desenvolvendo em alguns quesitos táticos e cognitivos, tornando-se um jogador mais versátil a ponto de exercer outras posições-funções.

Além de jogar como um meia-central, Lorenzo Faravelli também já atuou como um 2° volante box-to-box e, mais recentemente no Independiente Del Valle, tem atuado como um meia interior esquerdo. No time equatoriano, ele possui papel fundamental na fase de construção e, também, de conclusão das situações de gol (especialmente com infiltrações na área e projeções às zonas de finalização das jogadas, a fim gerar superioridade numérica diante da linha defensiva adversária).

ATRIBUTOS TÉCNICOS E TÁTICOS

Lorenzo Faravelli é um colírio aos olhos de qualquer apreciador do futebol bem jogado. Aliás, é uma tarefa árdua tentar não se encantar por esse meio- campista do Del Valle. Afinal, o trato fino que ele possui com a bola e a habilidade para ditar o ritmo da partida são virtudes absolutamente fascinantes e marcantes na sua forma de atuar.

Faravelli se destaca pelo perfil associativo e organizador de meio de campo, seja administrando a posse ou temporizando as jogadas. Ele apresenta uma relação harmônica com a bola, seu passe curto é acima da média, tem muita autoconfiança e drible curto para se desvencilhar de zonas de pressão da equipe rival.

Além disso, Faravelli contribui muito na circulação de bola e verticalizão com critério das tramas ofensivas elaboradas, especialmente pela sua visão de jogo apurada. O meia argentino oferece progressão e fluidez nas jogadas: seja com passes de ruptura encontrando um companheiro de equipe livre em espaços entrelinhas, seja com passes em profundidade acionando um atacante veloz com espaço para progredir nas costas da linha defensiva rival ou seja com viradas de jogo ativando laterais/pontas usando a amplitude. No Del Valle, em muitas ocasiões de jogo, Faravelli também tem rompido linhas de marcação através da condução, embora não faça isso com tanta potência.

É imprescindível destacar também o controle de bola invejável junto ao pé direito que Faravelli possui. Ele é bem dotado tecnicamente e cognitivamente para identificar espaços entrelinhas, gerar vantagens com o seu posicionamento corporal adequado para receber a bola, girar rapidamente e dar continuidade à jogada (sem carregar muito a bola ou dar um passe improdutivo).

Outro aspecto importante a se destacar em Faravelli é o seguinte: não é um meio campista que se destaque pelo número de gols, por mais que ele finalize com frequência satisfatória, tenha um arremate de curta/média distância bem interessante e passe bons minutos pisando no último terço do campo, atuando na fase terminal da jogadas. O meia do time equatoriano ganha mais relevância na preparação das chances de gol, dando bons passes para finalização (ora atuando na base da jogada ou ora atuando em zonas entrelinhas).

Lorenzo Faravelli dá sustentação no início da construção ofensiva do time do Del Valle: o meio campista aparece na base da jogada para se oferecer como uma opção de passe, a fim de auxiliar na progressão da situação de gol elaborada pelo time equatoriano. Foto: Reprodução
 
Faravelli se projetando à frente para finalizar uma situação de gol. Foto: Reprodução
Faravelli presente no terço final do campo, onde a finalização da jogada deve ocorrer. Foto: Reprodução

Defensivamente, Faravelli merece destaque pelo seu poder de desarme bem atrativo: é um jogador com bons números nesse quesito e que consegue equilibrar bem o setor onde atua. Ele consegue aliar a boa leitura dos espaços em campo com uma abordagem consciente e intensa sobre o portador da bola. Geralmente, Faravelli costuma não realizar saltos em pressão de forma radical, é ativo na pressão pós-perda e recompõe de maneira adequada.

Dito isso, é bom enfatizar que ele possui uma capacidade para realizar interceptações apenas razoável e vai mal nas disputas de bolas aéreas.

Por fim, mas não menos importante: Faravelli usa esporadicamente o “pé fraco” (que é o pé esquerdo) e não possui um destaque positivo nas bolas paradas.

ATRIBUTOS FÍSICOS

De bom biotipo, Faravelli possui passadas mais curtas, é capaz de trocar de direção sem muitas complicações, tem boa arrancada nos metros finais do campo e consegue alcançar velocidade satisfatória com e sem bola, embora não tenha tanta potência e força. A biomecânica de Faravelli é ótima: os movimentos são bem coordenados, leves e fluem com naturalidade.

Trata-se de um meio campista com mobilidade interessante, mas a resistência é somente razoável. É válido ponderar que Faravelli evoluiu bastante, no IDV, em aspectos físicos em que ainda não tinha tanta notoriedade.

ATRIBUTOS MENTAIS

Lorenzo Faravelli é um jogador com a parte cognitiva, claramente, bastante desenvolvida: muito inventivo para ler e aproveitar espaços, astuto para se movimentar, além de possuir ótima tomada de decisão. O meio-campista do IDV se destaca também pela concentração, ímpeto e entusiasmo, especialmente em circunstâncias favoráveis do jogo.

ESTATÍSTICAS DE FARAVELLI EM 2020

(PJ = por jogo)

➖ 38 jogos

➖ 7 gols

➖ 4 assistências

➖ 17 chances de gol criadas

➖ 32 passes chave

➖ 1,6 finalizações PJ

➖ 0,5 chutes no gol PJ

➖ 47 passes trocados PJ (88% de precisão)

➖ 1,3 dribles certos PJ (67% de precisão)

➖ 2,5 desarmes PJ

➖ 1,5 interceptações PJ

➖ 4,4 rebotes PJ

➖ 2,1 bolas recuperadas PJ

➖ 1,1 faltas cometidas PJ

➖ 0,7 falta sofrida por PJ

➖ 4 cartões amarelos

➖ 1 cartão vermelho

➖ Venceu 49% das disputas de bola

➖ Venceu 47% das disputas defensivas

➖ Ganhou 52% das disputas ofensivas

➖ Ganhou 28% das disputas de bolas aéreas

Fonte: INSTAT

CONCLUSÃO

Em suma, dentro do contexto atual do mercado sul-americano, Lorenzo Faravelli seria uma aquisição de ótimo nível do Corinthians, não só porque supriria essa eventual lacuna de 2° volante na equipe (ou no mínimo, ele poderia elevar o patamar de competitividade entre os jogadores do elenco, que atuam nessa faixa de campo), mas também porque ofereceria maior qualidade, versatilidade e dinamismo ao meio campo do Timão. Notem que em relação às opções que o Corinthians conta para essa posição atualmente, Faravelli é capaz de exercer mais funções em campo e também possui mais virtudes.

VEJA TAMBÉM:

JUAN IGNACIO RAMÍREZ, UMA OPÇÃO DE ATAQUE PARA O CORINTHIANS EM 2021

MERCADO SCOUTS: VEJA UMA ESCALAÇÃO COM DESTAQUES DA SÉRIE B DO BRASILEIRÃO

Deixe uma resposta