O mês de Setembro é especial para todos os corinthianos, afinal, no dia primeiro o Timão completou mais um ano de fundação. Em 2020, a Fiel recebeu o presente dos Naming Rights do estádio, hoje Neo Química Arena. Para comemorar estes 110 anos de história, nada melhor que relembrar a nossa identidade visual, ou seja, todos os escudos do Corinthians usados dentro de campo.

  • Acompanhe análises, dados e curiosidades do Corinthians também no perfil da SCCP Scouts no INSTAGRAM e no FACEBOOK.
Arte do SCCP Scouts sobre escudos do Corinthians
Arte do SCCP Scouts

Todos os dados foram fornecidos por meio de conversas com dois estudiosos do Timão: o jornalista Celso Unzelte e o curador do memorial do Corinthians e historiador Fernando Wanner. Ao longo dessas conversas foi possível entender como ocorreu a utilização e o caminho que cada escudo percorreu nas camisas.

Ambos os entrevistados confirmaram que o momento é de revisionismo histórico, pois há muitas coisas que foram reproduzidas de forma errônea por décadas, especialmente os dados da época de várzea. Logo, os primeiros anos do clube e durante esses últimos 15 anos os estudos tiveram como objetivo trazer a verdade e corrigir certos dados. Uma prova disso é que em relação ao símbolo “SCP com moldura branca”, considerado do ano de 1912, há quase a certeza de que não chegou a ser utilizado em partidas de futebol.

Portanto, hoje, acredita-se que existiram oito escudos do Corinthians, isso considerando que a partir da introdução dos remos e da âncora em 1940, seja um único distintivo até os dias de hoje, que sofreu apenas algumas adaptações. Porém, apenas há registro fotográfico em partidas disputadas pelo clube de sete deles.

Outro fato interessante é que ao longo da primeira década de existência do Corinthians, os diversos símbolos se revezavam, o que significa que, apesar de datados de algum ano, eles continuaram sendo utilizados ao longo dos anos, em esquemas de “vai e volta”, gerando a reutilização das camisas.

A Primeira trinca dos escudos do Corinthians: 1910-1917

O primeiro símbolo do Timão é o famoso “CP” que foi recuperado em camisas comemorativas no centenário em 2010. Acredita-se que este escudo foi utilizado desde 1910, porém o seu primeiro registro em partidas ocorreu em 12 de Abril de 1913 com a vitória do Corinthians por 6×0 contra o Lusitano. Mas este não foi o primeiro registo de símbolo em partidas, e sim, o símbolo “CP com moldura” recentemente achado por Fernando Wanner. Tal símbolo foi datado a partir de foto tirada na partida contra o Internacional que terminou em 2×2 datada em 21 de Agosto de 1912.

Fernando comentou que seria injusto dizer que ele que descobriu o símbolo, pois este emblema sempre existiu, apenas ficou escondido e o seu trabalho foi trazê-lo de volta à luz. O curador ainda completou sobre o achado: “É uma experiência única, fico muito feliz em contribuir com a história do clube e sempre é um prazer compartilhar com quem gosta e valoriza”.

O terceiro escudo foi criado pelo litógrafo Hermógenes Barby, irmão de um dos primeiros ídolos do Timão, Amilcar. Tal símbolo é conhecido popularmente como Ferradura por conta do formato da letra “C”. Esta criação aconteceu para o jogo contra o Torino da Itália, que fez uma excursão pelo Brasil em 1914. Este jogo é datado em 15 de agosto daquele mesmo ano com derrota por 3×0, sendo também a primeira aparição do escudo e a confirmação da cor bege como uniforme. Este símbolo foi descoberto em 2011 por David Costa, que na época trabalhava no memorial do Corinthians, e também o próprio Celso.

Estes três símbolos apareceram até meados do ano de 1917, quando surgiu uma segunda geração de três novos distintivos que se revezaram até o ano de 1919.

Segunda trinca de escudos do Corinthians: 1917-1940

O primeiro destes foi um “SCP estampado numa moldura redonda”. Este distintivo foi criado com a unificação do campeonato Paulista, e o seu primeiro registro fotográfico é datado em 3 de Março de 1918 em um empate com o time do Paulistano pelo campeonato. O último arquivo com o símbolo ocorreu em 19 de Outubro de 1919 em vitória do Corinthians contra a Associação Atlética dos Palmares por 4×2. Este foi o símbolo que mais se repetiu durante aqueles anos.

O segundo desta nova geração é o “SCCP com moldura com fundo preto”. Seu registro fotográfico aconteceu em uma partida com vitória contra a Equipe do Ypiranga por 4×0 em 22 de Julho de 1917, e seu último registro ocorreu em Dezembro de 1918.

Terceiro escudo desta época e sexto na cronologia total é um dos símbolos mais próximos do que conhecemos. É composto por um círculo preto sem a boia, com a bandeira da cidade de São Paulo no meio com os escritos atuais de “S.C. Corinthians Paulista 1910”. Este teve sua primeira aparição no dia 23 de Junho de 1919 em uma derrota para o Santos, no estádio da Vila Belmiro. Emblema que permaneceu em rotação até o final de 1919 quando se assumiu como o principal e único nas camisas até o ano de 1940. Ficando no clube por mais de 20 anos, o último jogo foi marcado por uma goleada do Timão em cima do rival São Paulo por 4×0 no dia 24 de Março de 1940. Logo após este escudo se teve a utilização do símbolo que temos hoje, acrescentando-se os remos e a âncora.

Símbolo atual: De 1940 até os dias de hoje

Apesar do primeiro jogo do novo símbolo só acontecer no ano de 1940, precisamente no dia 7 de Abril no Rio de Janeiro em derrota por 3×2 contra o Vasco da Gama, os primeiros esboços aconteceram em 1926 com a mudança do clube para a nova sede, o Parque São Jorge. Como naquele lugar era praticados os esportes aquáticos por estar nas margens do Rio Pinheiros, houve esta referência no símbolo que, primeiramente, foi idealizado pelo pintor português mais conhecido como “Scafanhask”, em que se acrescentou pela primeira vez a âncora e os remos como escrito acima. Esta primeira versão foi utilizada em documentos oficiais, pinturas da sede e em algumas flâmulas, como é visto na mão do ídolo do Timão Grané, na primeira filmagem feita durante uma partida contra o Bologna da Itália, que ocorreu em 1929 e o resultado foi de vitória por 6×1 para o Corinthians.

A arte foi finalizada anos depois pelo famoso pintor e ex-jogador Francisco Rebolo, em 1940. Desde então este símbolo é utilizado até os dias de hoje, apenas sofrendo pequenas alterações como, em 1980, em que Orfeu Maia colocou movimento na bandeira e adaptou o símbolo atualizando os tons de cores e traços por conta do bordado que era feito a mão. É legal dizer sobre o acréscimo das estrelas que teve início nos anos 90 e foram retiradas em 2011.

Bônus

O jogador escolhido pelo SCCP Scouts como o que mais teve sucesso com os símbolos foi o Neco, primeiro grande ídolo do clube. É certo que ele utilizou todos os escudos com exceção do de 1940. Não escolhemos um jogador para o símbolo atual, pois seria injusto, já que tantos mereciam este posto.

Neco jogou pelo Corinthians profissionalmente de 1913 a 1930, isso sem contar quando iniciou como terceiro quadro em 1911. Ao todo, até o momento, estima-se que são 296 jogos e 243 gols, além de seis títulos paulistas e seis escudos utilizados.

VEJA TAMBÉM:

BASQUETE ALVINEGRO: A VEZ DA BOLA LARANJA NO PARQUE SÃO JORGE

FORÇA ALVINEGRA! 5 VEZES QUE O CORINTHIANS CONTRARIOU AS PREVISÕES

Deixe uma resposta