Após duas derrotas consecutivas para o Atlético Goianiense, o Corinthians foi a campo enfrentar o América-MG, no Estádio Independência, em jogo válido pela 2ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ambos os times precisavam ganhar, já que não venceram na primeira rodada.

PRIMEIRO TEMPO

O Corinthians foi a campo com a seguinte escalação: Cássio, Fagner, João Victor, Gil e Fábio Santos; Cantillo, Gabriel e Roni; Araos, Luan e Gustavo Silva.

Logo de início foi possível notar a mudança feita por Sylvinho no lado esquerdo do campo, totalmente renovado e diferente. Foi diferente também no modelo de jogo da equipe, a qual nas últimas duas atuações tinha apresentado um 4-3-3, junto a uma marcação alta, enquanto diante do América o time se portou em um 4-1-4-1 com suas linhas mais baixas.

Reprodução/SporTV

Essa escolha por não subir suas linhas é uma resposta direta aos gols e o perigo que sofreu contra o Atlético-GO, principalmente nas costas dos meio-campistas.

Apesar de ser um time muito mais organizado e equilibrado desde o início do jogo, era um Corinthians com claras dificuldades de criação, muito por conta da presença de dois volantes mais presos nessa função.

Uma boa chance ocorreu no momento que uma das melhores movimentações funcionam nesse Corinthians, dada como: Fagner cortando para dentro e Gustavo Silva ganhando espaço no corredor para receber e ficar em situação de 1×1.

Fagner corta com a bola para o meio – Reprodução/SporTV
A zaga se posiciona marcando a bola e Gustavo explora o espaço em amplitude – Reprodução/SporTV

Outro ponto que ficou claro foi a utilização de Luan como falso 9, utilizando o jogador para distribuir e puxar a marcação. O primeiro momento em que o time subiu suas linhas foi por volta dos 25’ do 1º tempo, buscando efetividade nos lances e pressionando mais a equipe do América.

Oito jogadores no campo ofensivo – Reprodução/SporTV

Com isso, aos 28’ Mosquito sofre um pênalti e Fábio Santos converte para o Timão.

Uma observação que pode ser feita é que, a mudança de Gustavo Silva, tirando ele da referência no ataque, gerou 3 chances e 1 gol neste jogo.

Corinthians fez um primeiro tempo organizado, conseguiu manter um jogo sólido e não sofreu como nos outros dois jogos. Equilíbrio defensivo e organização foram a chave para a vitória parcial do time nesse 1º tempo.

SEGUNDO TEMPO

No segundo tempo era esperado que o Corinthians propusesse mais jogo e buscasse ampliar o placar, o que não ocorreu. O time voltou sem mudanças tanto de peças, quanto táticas, manteve as suas linhas baixas e diferentemente do primeiro tempo, abdicou mais da bola.

Defensivamente foi um time que seguiu com a solidez, porém os erros criativos e de saída permaneceram. Foram muitos passes errados, escolhas desnecessárias e chutões para longe entregando a posse de bola ao adversário.

Ambos os times apresentaram dificuldade na criação. América com a bola no pé abusava de passes horizontais. Já o Corinthians não conseguia achar movimentações e passes verticais para explorar um espaço e abrir mais o jogo.

No entanto, foi uma boa partida de Cantillo, que conseguiu imprimir uma melhora gigante no controle com a bola e na ligação entre os lados do campo. Além de ser uma peça-chave para desarme na equipe.

O jogo se manteve pacato até os últimos minutos, nos quais o América foi para o ‘tudo ou nada’ e o Corinthians não propôs mais jogo algum. Um gol do coelho foi anulado, tento esse que saiu em um erro de cobertura nas entrelinhas da equipe.

O gol não serviu como um susto para o Corinthians manter mais a posse de bola, principalmente no campo ofensivo, muito pelo contrário, no resto da partida o Corinthians foi anulado e sofreu para o América.

O jogo acaba e Corinthians volta com os três pontos para casa.

No mais, o time de Sylvinho fez um 1º tempo muito organizado em campo, explorou da forma correta suas peças e jogou bem. Já no 2º tempo, se recusou a explorar seu ataque e deixou o América jogar.

Foi possível visualizar um esquema interessante nesse Corinthians e que pode funcionar. A boa resposta que teve com mudanças, como Cantillo na distribuição e Fagner mais livre para subir e incomodar os defensores adversários, são amostras disso.

O Corinthians enfrenta nesta quarta-feira o Atlético-GO novamente pela 3ª fase da Copa do Brasil, precisando reverter um resultado de 0-2.

VEJA TAMBÉM:

COMO GUSTAVO MOSQUITO POTENCIALIZA O JOGO DE FÁGNER? 

COLUNA ALVINEGRA: O FATOR PSICOLÓGICO COMO ESSENCIAL 

Deixe uma resposta