O Corinthians foi à Bragança Paulista, nesse domingo (28), para enfrentar o Red Bull Bragantino na primeira rodada do Campeonato Paulista. A equipe foi competitiva, novidades apareceram, mas o baixo volume ofensivo chamou atenção.

Em comparação a derrota para o próprio Bragantino, um mês atrás, o jogo desse domingo apresentou evoluções defensivas e um grande regresso ofensivo. São apenas DUAS vitórias em 11 jogos, uma sequência preocupante.


Escalação do Red Bull Bragantino: Cleiton, Aderlan, Léo Ortiz, Fabrício Bruno e Edimar; Raul, Artur, Lucas Evangelista, Claudinho e Vitinho; Ytalo.
Técnico: Maurício Barbieri

Escalação do Corinthians: Cássio, Bruno Méndez, Jemerson, Gil e Lucas Piton; Gabriel, Cantillo, Ramiro; Rodrigo e Mateus Vital; Léo Natel. Técnico: Vagner Mancini


PONTOS POSITIVOS
• Bruno Méndez em ótima forma técnica;
• Jemerson e Cássio seguros.
• O primeiro tempo de Rodrigo.

PONTOS NEGATIVOS
• Gabriel atuando entrelinhas;
• Tomadas de decisão de Ramiro e Léo Natel;
• Lucas Piton inseguro;
• Substituições demoraram a acontecer.

DEFENSIVAMENTE, O CORINTHIANS FEZ UM JOGO RAZOÁVEL

No fatídico Corinthians 0-2 Red Bull Bragantino, em 25 de janeiro, pelo Campeonato Brasileiro, o alvinegro da capital foi pouco intenso na marcação e deixou espaços entrelinhas. No duelo atual, os responsáveis pela construção do Massa Bruta tiveram suas vidas dificultadas pela pressão corinthiana e Claudinho, o craque do Brasileirão, obteve menos espaços para transitar com bola no último terço.

Outra questão importante do Corinthians na partida foi a tentativa de subir blocos. A ideia era boa, mas para utilizar dessa estratégia, exige uma organização perfeita. No caso, o RB Bragantino perdeu algumas posses com a marcação alta do Timão, porém em muitas delas o time de Mancini deixou espaço na entrelinha e a subida de blocos foi desorganizada. Assim, o RB Bragantino conseguiu sair da pressão e gerou transições perigosas.

Em aspectos individuais, vale ressaltar a boa partida de Jemerson e Cássio, e o ótimo desempenho de Bruno Méndez. Ofensivamente, o uruguaio tem dificuldades em atacar espaços (o que é natural), contudo defensivamente fez mais um jogo de manual. Além disso, tem ótimo passe e se destaca nas últimas partidas.

COM A BOLA, O MAIOR PROBLEMA!

O time de Vagner Mancini procurou fazer uma saída com os dois zagueiros, mais Victor Cantillo para auxiliar. Nesse sentido, Gabriel ficou encarregado de trabalhar mais a frente, e errou muito com a bola entrelinhas. Outro jogador prejudicado foi Mateus Vital, que recebia a bola e ninguém o ajudava com aproximações. Além disso, o camisa 22 fez diversas escolhas equivocadas.

Aqui uma movimentação interessante do Timão, porém era Gabriel que tinha o cargo de criação. Não é de sua característica. – Reprodução

Ramiro, por sua vez, entrou no jogo para cumprir a função tática de ocupar o espaço pelo flanco direito e pressionar o portador da bola por dentro. Todavia, ofensivamente foi nulo. Errou gestos básicos no campo de defesa, inclusive um deles quase se transformou em gol do adversário.

Outro que pecou em decisões e gestos foi Léo Natel. Criticado nas últimas partidas por errar em tomadas de decisão, novamente o atacante desperdiçou investidas alvinegras, seja com o último passe equivocado, ou até com finalizações não precisas.

Lucas Piton, jogador o qual deve-se haver uma expectativa ofensiva, participou pouco. Associou pouco com Vital e parecia fora de sintonia. Precisa de minutos sequenciais, e deve retomar a confiança nos próximos duelos.

Apesar da partida abaixo, é bom ver o garoto de volta aos titulares – Foto: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

ESCOLHAS INDIVIDUAIS DE MANCINI

Claro que toda e qualquer escolha individual é feita com base na ordem coletiva. Entretanto, é necessário pontuar algumas opções equivocadas de Vagner Mancini.

Como dito acima, com Victor Cantillo recuando a todo momento na base da jogada, Mancini orientou Gabriel a jogar mais adiantado e trabalhar na entrelinha. O camisa 5 tem muita dificuldade em cumprir essa função, falta capacidade técnica e criativa.

Além disso, o Corinthians entrou mais uma vez sem Fagner e Mosquito, escapes interessantes pelo lado direito. A entrada de Gabriel Pereira ou Gustavo Mosquito na vaga de Ramiro poderia ter sido aplicada logo no intervalo, ou até já desde o início, com o intuito de dar mais poder ofensivo no lado direito.

O camisa 8 ainda se configura abaixo tecnicamente para construir e fazer passes verticais, além de não ter boas tomadas de decisão em fase ofensiva. Do setor ofensivo do Timão, o único que conseguiu se destacar – mesmo que de maneira singela – foi Rodrigo.

CONFIRA AS NOTAS DO CORINTHIANS CONTRA O SANTOS:

Cássio: Muito seguro, Cássio foi exigido e correspondeu. Fez duas ótimas defesas. NOTA: 7,5

Bruno Méndez: Impossível exigi-lo a profundidade de Fagner. No que pôde fazer, foi excelente. Muito bem defensivamente e ótimo passador. NOTA: 8,0

Jemerson: Mais uma partida segura, com bom posicionamento e cortes importantes. NOTA: 7,0

Gil: Dificuldades em construção e falhas individuais de proteção da bola e duelos no chão. NOTA: 6,0

Lucas Piton: Muito inseguro em gestos e pouca ofensividade, Piton se caracterizou por um jogo ruim. Vamos aguardar, é promissor e precisa de sequência. NOTA: 5,5

Gabriel: Errou muito por estar em um contexto desfavorável. Acertou boas inversões em alguns picos mais interessantes. NOTA: 6,5

Cantillo: Muito bem defensivamente, Cantillo está com muitas dificuldades ofensivas desde as lesões de Fagner e Mosquito. NOTA: 7,0

Ramiro: Foi importante no contexto tático e em pressões nos construtores do RB Bragantino. Ofensivamente, muito abaixo. NOTA: 6,0

Rodrigo: Primeiro tempo participativo de Rodrigo. Fez uma estreia interessante e pode ser utilizado de outras formas, como por exemplo de falso nove. Deve ganhar minutos! NOTA: 7,0

Mateus Vital: Tentou algumas jogadas individuais, pois sempre recebe boas pressões adversárias. Errou alguns gestos básicos, mas o contexto não favorece seu desempenho. NOTA: 6,5

Léo Natel: Dinâmico, porém com muita dificuldade. Erra o último passe e desperdiça investidas perigosas do Timão. NOTA: 6,0

Cauê: Teve boas tentativas. É muito pouco ainda para se provar, 30 minutos apenas em campo. Outro que não é potencializado pelo contexto. NOTA: 6,0

Gustavo Silva: Parece ainda estar se recuperando de lesão. Errou alguns gestos e seus escapes não tiveram êxito. NOTA: 6,0

Gabriel Pereira: Entrou bem. Errou finalização, mas soube agir bem em transições e provou que deve ganhar minutos. NOTA: 6,5

Cazares: Muito decisivo na última temporada, Cazares ainda tenta se recuperar da última lesão muscular. Pegando ritmo, pode ser decisivo. Contra o Bragantino, foi participativo e se movimentou bem. NOTA: 6,0

VEJA TAMBÉM:

VICTOR CANTILLO: ENTENDA O PAPEL DO VOLANTE NO CORINTHIANS

MERCADO SCOUTS: MATÍAS AREZO, UMA OPÇÃO DE ATAQUE PARA O CORINTHIANS EM 2021

Deixe uma resposta