No último domingo (30), o Corinthians fez a sua estreia no Campeonato Brasileiro diante do Atlético-GO, na Neo Química Arena. O duelo também marcou a estreia do novo técnico do Timão, Sylvinho.

Primeiro Tempo

O jogo se inicia com o Corinthians sofrendo para impor seu jogo durante os três primeiros minutos do jogo. Após conseguir se colocar na partida, foi possível reparar as primeiras mudanças no estilo de jogo do Corinthians: a primeira linha de 4 defensores bem postada e a marcação pressão na saída de bola do adversário. A equipe alvinegra fez o jogo inteiro atacando em um 4-3-3 e defendendo em um 4-4-2.

Marcação pressão com as linhas altas. Foto: Reprodução
Linha defensiva com quatro jogadores junto de uma linha, os três volantes e Vital voltando no lado esquerdo. Foto: Reprodução.

Outra movimentação importante era o revezamento. O time entrou sem um centroavante de ofício, com isso Luan e Gustavo Silva foram os encarregados por fazer o papel central. Ambos flutuavam no ataque tanto para marcar pressão, bem como para abrir espaços ou buscar o toque.

O Corinthians se manteve bem ajustado em suas linhas sem a bola no pé, mas com a posse o meio-campo não funcionava e faltava criação e opções para jogo um jogo aproximado, além de um pouco de ansiedade para decidir as jogadas – o que foi crucial para o resultado da partida.

O time do Atlético-GO jogou na espera pelo contra-ataque, sabendo que se o Corinthians subisse suas linhas, os espaços se abririam e assim encontrou boas chances com João Paulo e Zé Roberto.

Um dos principais pontos para a falta de criação e oportunidades foi a má utilização de alguns jogadores com sua principal característica: Gustavo Silva tendo que cair mais pela esquerda e Fagner preso na defesa.

Gustavo Silva já demonstrou ser um jogador muito importante quando joga pela direita, abrindo muitos espaços, gerando oportunidades e com um ótimo mano a mano. Com Fagner preso na defesa, o time perde nos avanços pelo corredor direito, o lateral é constantemente uma arma muito importante na chegada do time do Corinthians, tanto em passes e cruzamentos, quanto em avanços individuais e incisivos.

Pontos esses que foram cruciais para o primeiro gol do Atlético-GO, aos 44’ do primeiro tempo. Em um gol que os volantes foram ineficientes e ocorreu em cima de um dos mais criticados desse time, Gil.

Segundo Tempo

Corinthians voltou ao segundo tempo na mesma perspectiva, sem alterações. Continuou com a marcação pressão com suas linhas altas e com Gustavo jogando do lado direito do campo.

A imagem mostra que Camacho era um dos que não subia a linha; é possível ver também Gustavo Silva pela direita. Foto: Reprodução

O jogo continuou ineficiente no meio, pois dentre os três volantes presentes, Camacho era o que tinha mais qualidade na saída, e ontem não fez um bom jogo. Corinthians perde na saída de bola desde a zaga na falta de qualidade de Gil com a bola no pé, e, com Camacho mal, Roni seria a segunda opção de passe, mas não aparece entre as linhas e o Corinthians trava sua saída.

E esse é um ponto para que Sylvinho observe, apostar em 3 volantes que não se complementam e que não vem em ótima fase talvez não seja a melhor das ideias nesse esquema proposto.

O espaço não povoado pelo Corinthians entre a linha de ataque e do meio campo do Atlético Go. Foto: Reprodução

Aos 16’ do segundo tempo, Gustavo Silva em jogada muito boa pelo lado direito, sofre penalti e é marcado para o Timão. Vital foi ao penal e Fernando Miguel fez a defesa, porém no rebote, Vital demorou a chutar e Fernando Miguel pôde se posicionar novamente para fazer outra defesa.

O goleiro foi o nome do jogo. O Corinthians chegou algumas vezes mas, parou nas mãos dele em todas as oportunidades.

Aos 15’, o time teve a primeira mudança, Roni por Araos, o que gerou uma melhor movimentação, já que Luan estava sendo bem contido entre as linhas do Atlético e com Araos em campo poderiam revezar a posição.

Ainda tivemos as entradas de Cantillo, Jô e Adson, porém, não foi o suficiente para que o Corinthians empatasse.

Corinthians estreia então com uma derrota por 1-0 no placar. Ao ver de muitos, o time não mereceu a derrota pelo jogo que foi imposto e o caminhão de gols perdidos.

Com pouco tempo de trabalho, demonstrou-se uma boa organização em campo, com um ‘pressing’ que não era visto no time do Corinthians nos últimos jogos. O esquema não funcionou, a falta de versatilidade no meio-campo foi prejudicial, por exemplo, o destaque de movimentação e decisão Luan nos últimos jogos, praticamente não conseguiu receber em boas condições.

É preciso ter calma, visto que Sylvinho não teve tempo suficiente de desenvolvimento na equipe, porém as correções e observações são necessárias para que a equipe encontre seu estilo de jogo e as peças se encaixem na ideia do treinador.

O próximo desafio do Corinthians é contra o próprio Atlético-GO, na quarta-feira (2), em duelo válido pela 3ª rodada da Copa do Brasil, novamente na Neo Química Arena.

VEJA TAMBÉM:

Deixe uma resposta