Se você falar com o torcedor corinthiano, muitos ainda vão estar com o pé atrás em relação ao Mancini. E não é absurdo, tendo em vista que ele pouco se notabilizou por grandes trabalhos em grandes times. Ele ainda está tendo que se provar e natural que não seja unanimidade. Porém, me parece insanidade não reconhecer seus feitos até aqui. E não foram poucos.

Para começar, o desempenho da equipe como um todo melhorou. Coletivamente, o time ganha cada vez mais uma “cara”, uma identidade. Com Tiago Nunes e Coelho, a equipe teve dificuldade em estabelecer um perfil bem definido.

Mas além dessa identidade, os jogadores estão executando bem a proposta que lhes é pedida. Muita intensidade para pressionar e acelerar no campo de ataque, especialmente em jogos grandes. Por falar nesses jogos, precisamos falar da competitividade que ele trouxe de volta ao Timão.

O Corinthians esteve longe de ter o melhor elenco do Brasil nos últimos anos, mas cansou de ganhar jogos sendo competitivo, organizado e fazendo valer a hierarquia da Arena. Pois bem, o cenário tem sido esse com Mancini. Bons jogos contra Internacional. Grêmio, Atlético-MG e São Paulo. Nem todos com vitória, mas fazendo um jogo aplicado dentro de sua proposta.

Indo para a parte individual, me parece difícil ser apenas coincidência que uma série de jogadores retomaram seu melhor nível a partir da chegada do técnico ex-Atlético-GO. Podemos citar nomes como Cássio, Fagner, Gil, Gabriel e Luan. Pilares do time voltaram a responder e isso foi crucial para o nosso melhor rendimento.

Luan se destacou durante o empate contra o Grêmio
Luan se destacou durante o empate contra o Grêmio (Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)

Quanto aos jovens, Lucas Piton, Bruno Méndes, Xavier, Mantuan e Gabriel Pereira já tiveram seus minutos. Dar confiança e tempo de jogo para os garotos é fundamental pensando em um futuro mais sustentável financeiramente e, claro, pensando no próprio crescimento da equipe, já que são bons jogadores.

Então tudo está uma maravilha? Não é bem assim. Mancini ainda precisa se provar em jogos que o Corinthians precisa ser o protagonista. Jogos que o time vai ter e a bola e vai precisar encontrar espaços. Foi bem contra o Coritiba, é verdade. Mas contra América-MG, Atlético Goianiense e Fortaleza, o time já mostrou dificuldades. Com mais tempo para treinar, a ver se o time consegue ter um maior leque ofensivo contra esse perfil de equipe.

O saldo até aqui é positivo. Melhora coletiva, individual, boa gestão de grupo e clareza dentro das suas ideias. Merece ficar para o ano que vem? Vamos ter calma e ver até o resto da temporada. Mas uma coisa é fato: até aqui, uma permanência vai se desenhando e é difícil encontrar argumentos contrários. Que se mantenha e tenha uma excelente passagem pelo Corinthians.

VEJA TAMBÉM:

COLUNA ALVINEGRA: FALTA DE DINHEIRO OU FALTA DE PLANEJAMENTO?

COLUNA ALVINEGRA – TIAGO NUNES E CORINTHIANS: UMA RELAÇÃO FADADA AO FRACASSO

COLUNA ALVINEGRA: CORINTHIANS, RESPEITE QUEM TE FEZ CHEGAR AONDE CHEGOU!

Deixe uma resposta