Hoje é aniversário de um ídolo do clube, que talvez não seja lembrado como um dos melhores, porém teve a honra de ser o capitão nas duas maiores conquistas recentes do Timão.

Coluna escrita por Ronaldo Sambinelli

Alessandro Mori Nunes completa 42 anos e está na história do Corinthians como um dos jogadores mais vitoriosos pelo clube. Chegou em 2008, em um momento conturbado no qual o time disputava a serie B e buscava forças para voltar à primeira divisão nacional.

Todo esforço pelo clube valeu a pena e o resultado final o coroou com seu nome marcado na memória.

O camisa 2 terá seu rosto em destaque nos (talvez) maiores títulos da história do clube. A tão sonhada Taça Libertadores veio naquela noite de 4 de julho e quem teve o privilégio de levantá-la? Ele mesmo, o nosso lateral direito.

Se já não bastasse esse mérito, na manhã de domingo do dia 16 de dezembro de 2012, o Timão pintou o mundo com as cores preto e branco, levando o troféu do Mundial de Clubes e novamente os mesmos braços ergueram a taça, na frente dos trinta mil torcedores em Yokohama.

Alessandro se tornou um dos símbolos dessas duas conquistas e não podemos esquecer da braçadeira de capitão azul que estava no braço esquerdo do atleta quando levantou as taças que simbolizavam o êxito corinthiano.

Pouco menos de um ano depois, especificamente no dia 28 de novembro de 2013, chega ao fim sua passagem como jogador, quando ele anunciou sua aposentadoria. Porém, errado pensar que ficaria por isso, Alessandro retornou como coordenador técnico em 2014 e ficou até 2018 no cargo.

Neste ano, novamente o nosso lateral direito retorna ao Parque São Jorge para exercer a função de gerente de futebol com o novo presidente: Duílio Monteiro Alves.

Foram oito títulos conquistados durante sua trajetória:

  • Brasileirão serie B – 2008
  • Paulistão – 2009 e 2013
  • Copa do Brasil – 2009
  • Brasileirão serie A – 2011
  • Libertadores da América – 2012
  • Mundial de clubes – 2012
  • Recopa – 2013

VEJA TAMBÉM:

COMO FÁBIO SANTOS AJUDOU A MUDAR O PATAMAR DE JOGO DO CORINTHIANS?

CAZARES: UMA DIFERENÇA TÉCNICA EM MEIO A UM TIME APLICADO

Deixe uma resposta